colapsando

somos experimentos emocionais

joguetes das parcas possibilidades

envenenados com doses cavalares

de transgênicos transgêneros

politicagem violência agrotoxidade

e variadas desordens

o que somos?

vítimas? vilões?

cavadores de nossas próprias covas.

.

somos caldeirões

misturando complexas matérias primas

ignorantes

matando morrendo por quase tudo

transitando em desertos sem fim

entre flores e ervas daninhas

microondas

redes além céu além mar

.

somos infestações

de variáveis e expectativas

vivendo por um triz

um tiro

ou invasão de qualquer ordem

paralisados de dor de medo de ansiedade

e sucessivas escolhas equivocadas

.

somos língua sexo vísceras

sabemos de muito pouco quase nada

fabricantes diários de merda

e outras tantas secreções e decrepitudes

não podemos com a TPM

com os hormônios com o estresse

queimamos nossa própria casa

sofremos todo tipo de incoerência

e ainda assim

insistimos em continuar fazendo

pessoas por diversão.

Anúncios

hausto

andei me perdendo por aí

em poços sem fim

acordando no susto

deslumbrando-me com novidades

sorvendo impunemente

sopros  embriagantes

me encantando

com quase tudo ao redor

podando incongruências

contactando

o mundo das não palavras

me entregando

à poesia

à dança de todas as coisas

tocando suave

o meu damaru

de olhos abertos

em pleno escuro

observando

A Vida e a Morte

diariamente

testando medos    sensações

ou alguma temporária incapacidade

um contínuo engolir de tempestades

e tantas outras coisas

que não se pode enclausurar

em meras expressões

.

agora vivo armando minha rede

em céus cheios de constelações

tentando entender

a sapiência do Todo

dando à palavra

o estatuto de obra de Arte

atravessando desertos    oasis

e dividindo meu amor com o mundo