querência

by jacek yerka

resolvi lixar as paredes  

regular o brilho

já que luz demais confunde encandeia

e atrai efêmeras asas

.

estou preparando a base

pra pintar tudo de azul

de arrebol em vários tons

enquanto analiso o desenrolar dos fatos

da vida

vou espessar os fluidos

separar o sólido  o racional

enterrar os sapos

limpar o caminho  o trono ao lado

polir o anel   abrir as grades

costurar o véu

.

enquanto me balanço

com coisas e cavalos marinhos

musicando lembranças confeccionando cenas 

rindo à toa por cima de clichês

chamando você de meu

amor

é

algo

raro

.

me perdoe perdi o foco

quase esqueci de dizer que eu

portadora de versos e bla bla blás

declaro

do alto do meu coração alado

que amar é importante

já que existir é apenas um rito de passagem

cura

você nem sabe

mas estive te olhando a dormir

medindo seus pedaços

soprando preces em seu ouvido

.

entrei em teu subterrâneo

mergulhei de olhos abertos

em tua imensidão

descobri vales campinas

labirintos vivos

furta-cor

.

joguei feitiços sobre teus pés

beijei feridas ainda abertas

vi arquétipos em tuas costas

invoquei curandeiros pajés

seres de teu inconsciente

.

você moveu algo

por baixo de meu peito emplumado

soltei gritos uivos desejos

e transformei lágrimas

em água benta

lua negra

e como uma deusa suja

preciso apenas

um fragmento

pra me reconstituir

cintilar

ouvir o grito das pedras

o choro das águas

.

a lua

guardiã das coisas

sabe

que a noite

ilumina

grutas

desfiladeiros

e sincroniza os ritmos

de minha solidão

.

e que até mesmo um incêndio

queimando árvore a árvore

pode ser apagado

por  uma brisa

de hálito doce

e cor de ébano

repleta de elementos

delicados

úmidos

e mágicos

 

olhos fechados

image by colourlesscoincidence (tumblr)

acessando jardins interiores internos

descobri os mais belos chapéus

coroas de flores cores    passinhos de dança

sapatos de bico enrolado arabescos

.

trilhados suspensos balanços de corda

sisal trançado sustento do corpo

que brinca sente o vento

matéria ferramenta instrumento

.

abrigo da mente   expansão

sorrisos iluminados    possibilidades

coloridas aladas amarram tênues

fios transparentes erguem sorrisos

que clareiam as cores do ambiente

.

brinco comigo sou água sou terra

me diluo desintegro viro raiz

adentro o solo subo árvores

paisagem  na linha do horizonte

.

salamandra encantada que fareja

seres cheiros garantias que embalem

filtros de sonhos redes mágicas

viagens aladas coloridas

.

mãe terra pai sol índio filho

sou deus  sou eu   Eu Sou

estou no mar no sol na lua

em mim em você em nós

somos todos todos somos

natureza mistério espírito

unindo-se em apenas um