hausto

andei me perdendo por aí

em poços sem fim

acordando no susto

deslumbrando-me com novidades

sorvendo impunemente

sopros  embriagantes

me encantando

com quase tudo ao redor

podando incongruências

contactando

o mundo das não palavras

me entregando

à poesia

à dança de todas as coisas

tocando suave

o meu damaru

de olhos abertos

em pleno escuro

observando

A Vida e a Morte

diariamente

testando medos    sensações

ou alguma temporária incapacidade

um contínuo engolir de tempestades

e tantas outras coisas

que não se pode enclausurar

em meras expressões

.

agora vivo armando minha rede

em céus cheios de constelações

tentando entender

a sapiência do Todo

dando à palavra

o estatuto de obra de Arte

atravessando desertos    oasis

e dividindo meu amor com o mundo