diáfana

by in-dissoluvel (tumblr)

encontrarei comigo

amanhã a tarde

quando cair

o sol

vou cortar as linhas

me desenredar

voar longe

divagar

chover

 

Anúncios

bravura

Amor by Christian Schloe

quero desafiar

as medidas

as lógicas

desse coração

valente

abrir o peito

simplesmente

por que o Amor

é involuntário

composto

de muitas fórmulas

que vão surgindo

a cada Encontro

agridoce

sinto saudades de alguém

algo que não conheço

insisto em identificar um rosto

uma expressão um toque

mas

me perco em quedas

pistas ilusórias

raposas

em campos de trigo

.

pareço alguém 

outra

não sou eu

e tendo a me desgastar

em solitárias construções

de tronos e  altares

adorando falsos deuses

.

não sei por que

não entendo

o que me faz perder

preciosidades

tempo

cultivando decepções

.

me prendendo

em pseudos nós

entre pessoas e punhais

que me desarticulam

.

mas é que tudo é tão dúbio 

são tantas as tocaias

e armadilhas acontecendo

costas afora…

.

talvez

não (?)

deva

embaralhar ordens

começar pelo meio

ir atrás voltar

insistir em  encontrar

por que de repente

o Amor definitivamente

não é

um lugar…

encontro

by desenhando-o-mundo (tumblr)

não sei se a vida foi ou é

se noites de estrelas alimentam

doces desejos de um mundo poético

sensível faminto e tocante

.

sei que despojo inúteis obrigações

beijo lábios que foram meus

perdoo falhas agradeço lições

e fecho portas a passados ventos 

.

só quero sair por aí

sentir o sol o tempo 

mudar certezas de lugar

congelar abraços

.

pois a vida

é nua e terna

é flor que se abre

em teu pescoço

patamar de onde contemplo

luzes emanadas de nós

in_coerente

queria entender as linhas

manipuladas pelos cordéis do tempo

unindo pessoas estórias

marionetes amarradas no ar

.

crianças balançando botas

sentadas em pontes precipícios

solitários prantos atrás da porta

telhados cúmplices esconderijos

.

seres sensíveis incompreendidos

crescendo em casas abandonadas

tentando encaixar categorias

padrões em moldes vazados

.

vidas correndo em hipérboles

redes tecidas além mar

intersecções poetizadas em letras

trilhas castanhas    sonhos em par

.

entre nós e décadas

futuro do presente  pretérito imperfeito

irresistíveis apelos comovem

estrelas invisíveis  num breve olhar

balance

e enquanto escrevo observo a vida passar

pessoas carros por abastecer

listas de tarefas que se renovam a cada dia

corações batendo sorrisos em flash

.

risinhos de canto de boca

vozes de partes de mim

sabe a última porção das coisas que dizes?

o restinho das frases palavras?

.

elas ficam

não sei bem onde se escondem

brincam comigo nos dias mais sérios densos

.

ah! que falta me fazes

teus braços são lugares

onde quase sempre estou desejando chegar