filosofia de padaria

nudoinfinito

nó sem fim  – representa a Vida no Budismo

a Vida é o que há de mais precioso a nosso alcance!

pena muitos de nós não fazer a menor ideia do que estou colocando aqui,

a caverna de Platão  está aí muito bem contextualizada,

são muitos no escuro,

e o sistema, digo, a caverna só contribui para que a escuridão permaneça,

estamos sobrecarregados, estressados em maioria, o trânsito, as contas, as “necessidades”, a infelicidade de estar fazendo o que não nos agrada, o descontentamento de estar dividindo a vida, ou mesmo alguns momentos mais íntimos, com alguém que não amamos,

  • vivemos enredados em jornadas de trabalho que não permitem o mínimo de tempo para nós mesmos,
  • temos muito pouco (ou quase nenhum) contato com a Natureza, não pisamos mais no chão,
  • trocamos as permutas sutis por redes wifi,
  • estamos quase sempre conectados na internet,
    e quando vamos dormir deixamos a rede ligada por algum tipo de estranha sensação que não podemos nos desligar,
  • raramente fazemos algum tipo de reflexão,
  • dificilmente conseguimos nos colocar no lugar do outro,
    ou fazer – o mínimo – de esforço para fazer algo por alguém,

a sensação que tenho é que “passamos batido” pelas coisas, pelas pessoas, pelas situações,

é difícil nos prender ao momento presente, estamos, muitas vezes, fazendo algo, já pensando em estar fazendo alguma outra coisa,

não respiramos de forma consciente, minimizamos o poder da respiração, não nos ouvimos

e estamos sempre repetindo:

– eu não posso!

– eu não consigo!

– eu não tenho tempo!

– eu não tenho paciência!

– isso não é problema meu!

– aquilo dá muito trabalho!

as palavras tem muita força

e reverberam em instâncias que muitos de nós nem imagina, 

 

não paramos para ver o por do sol, ou admirar a chuva, a beleza de uma flor, ou simplesmente comemorar e agradecer quando estamos respirando bem sem sentir nenhum tipo de incômodo, por que?

nos distanciamos de nós mesmos

preferimos nos atordoar a nos ouvir (como diz o mestre Ferreira Gullar)  

não queremos parar, não “podemos”

não queremos nada que nos dê um pouquinho mais de trabalho,

queremos soluções prontas, de preferência compradas na farmácia ou no supermercado, assim tudo fica mais rápido,  

por que vivemos em loops infinitos que nunca terminam? por que?

por que não paramos para ver que as maravilhas são as pequenas coisas do dia a dia?  

a magia está no cotidiano, nos ensina a poeta, poetisa, professora e filósofa Adélia Prado

o surrealismo fantástico está nas histórias reais, ensina o grande escritor, nobel de literatura, Gabriel Garcia Marquez,

não ouvimos a voz daqueles que sabem muito mais que nós,

não levamos em conta os ensinamentos dos Mestres, daqueles que tem patente para nos aconselhar,

as palavras dos Grandes que já passaram por este planetinha, devem ser levadas em consideração, não apenas repetidas em situações específicas, ou colocadas como clichês ou discursos decorados,

devemos por os conselhos em prática,

“seja a mudança que vc deseja ver no mundo”  

Gandhi

será que somos alguém com o qual acharíamos ótimo cruzar pelo caminho?

será que estamos fazendo (minimamente) a nossa parte?      

por que não conseguimos perceber quantas coisas lindas nos cercam? 

a água por exemplo, quantas vezes nos atemos a um copo d’água? agradecemos por ter esse líquido maravilhoso, lindo, transparente cheio de vida?

por que não paramos para admirar as cores das frutas? dos vegetais? o sabor de todas as coisas?

por que não cheiramos antes de comer?

por que tudo tem que ser instantâneo, encaixotado ou industrializado? por que?

por que não enxergamos a vida que se desdobra diante de nós?

por que não cultivamos nossa vida interior? nos abastecendo de bons livros, hábitos, filmes, poemas, boa música, atividades construtivas, etc?

por que nos deixamos levar por emoções desgovernadas quase sempre?

por que subutilizamos as nossas existências?

são questões para nos fazer refletir

afinal de contas, 

a vida também passa, assim como todo o resto

as tempestades sempre passam, por maiores que sejam

“[…]a tempestade procura a paz

quando flagela a paz

com a sua violência[…]”     

                 

R. Tagore

       

temos que tomar conta de nós

sermos responsáveis por nossa saúde/integridade

não adianta culparmos a crise, a sociedade, a TPM, a menopausa, a política, os filhos pequenos ou qualquer outra coisa,

se nos alimentamos de forma errônea, se não paramos para decidir o que vamos colocar pra dentro de nós, se não fazemos nenhum tipo de exercício, se não cultivamos nenhum hábito saudável, se nem sequer respiramos conscientemente,

se doenças nos assolam, é porque precisamos aprender algo que não conseguimos aprender de outra forma

a vida é sábia!

o corpo é muito inteligente,

vamos ouvi-lo, 

não podemos viver culpando outrem pelo que nos ocorre, 

temos que nos cuidar, que nos cativar, 

temos que ser gentil conosco mesmos

e de vez em quando nos darmos presentes,

agradarmos a nós próprios,

a vida é rara

indelével poesia   

tudo é temporário

vamos morrer daqui a um tempo, todos nós!

então por que tanta dureza, falta de delicadeza, 

por que tão pouco amor?

por que línguas tão ferinas?   

por que tanta agonia e aperreio? 

por que tanta mágoa guardada no coração? 

por que tanto medo, tanta ansiedade?

…   

se eventualmente desejamos algo ruim para alguém

e até mesmo a morte de um ou vários, 

estes desejos são despertados em nossa mente e daí os alimentamos sem fazer a menor ideia do que causamos (sobretudo) em nós mesmos, agindo assim apenas estamos ativando energias que de uma forma ou de outra voltarão para nós,

pois a lei do retorno é implacável

tudo que vai, volta!

atraímos exatamente o que emanamos,

façamos um teste! 

 

não deixemos que o Ego nos domine! 

há tempo! há como corrigir!

desde que seja daqui pra frente,

do passado não temos como voltar um segundo sequer

sendo assim, nos resta não repetir os mesmos erros (ou pelo menos tentar)

enquanto repetimos, provocamos a reprodução do mesmo status quo em que nos encontramos,

que tal nos analisar, analisar as coisas, as situações antes de nos envolvermos?

assumamos as rédeas de nossas vidas!

meditemos!

namasté,

diana pessoa.