cimo

como seda

tu

aceso

e o teu cheiro

adentrando narinas

e meu quase cume

.

suave   único

entre

entranhas

torpor de carne     vísceras

.

sendo amada

pertenço-te

ainda que a ermo

acocorada

uive solitariamente

pro nada

.

canto meu trino

sinto-te único

pousado entre meus dedos

.

e se tua matéria

em mim repousa

amo-te

esquisita

monstro

incompreensível

infinitamente eu.

alada

ouvi tuas asas batendo muito perto

senti intensamente o vento de seu farfalhar

abri os olhos e as vi. Eram inefáveis, grandes

manchadas de furta-cor

.

ouvi-as sacudindo a atmosfera

e na penumbra de meu abajur

belas, relanceavam

.

ouvi tuas asas entre os sons lá de fora

e as vozes que falam em mim

ouvi choro e riso, crianças e pássaros

.

ouvi-as alvoroçadas, intenso temporal

e entre elas, sonâmbula, acordei.