desvelo

eu árvore

alta e dura

composição menina de desamor e incompletudes

a vertigem

a asa

o grito

.

você arte

incontido e nítido

sorriso menino de luto e esperas

o labirinto

o caos

o tudo

.

tudo em desordem

caixas fechadas por dentro

almas em ponto morto

.

eu e meus eruditos significados

um desentranhar de palavras

você paciência de entalhe

pondo ordem no impossível

.

escultor de ilusões

observo-te vez por outra

quase cética, mas domada

não obstante te reflito

em meu hemograma

em minha cara

estupefacta e linda

no elevador das caprichosas interseções

 

peremptória

 

não serei breve

.

estarei em sua janela

eterna

como as nuvens de Quintana

.

a longo prazo

eu bandeira permanecerei

apesar de suas escavações

.

então não direi nada

serei apenas chuva

ventilando mais uma

terra alheia

.

a certo prazo

tudo estará neutro

e você acabará

por ouvir

as verdades que não pude dizer